Ferramentas digitais na didática da Filosofia

Comunicação apresentada no Encontro “Filosofia e Flexibilidade Curricular”, organizado pela Sociedade Portuguesa de Filosofia e pela Associação de Professores de Filosofia, em Aveiro, a 12 de julho de 2018

 

Fotos do Encontro:

Encontro de Filosofia em Famalicão: Aprendizagens Essenciais

No passado sábado decorreu, no auditório da escola sede do AECCB, o “Encontro de Filosofia-Aprendizagens Essenciais” onde estiveram presentes perto de 40 docentes.
Organizado pela coordenação do subdepartamento de Filosofia e em colaboração com o CFAE VNF, a Associação de Ética e Filosofia Prática e a Associação de Professores de Filosofia, representada pelo professor Sérgio Lagoa, o encontro visava esclarecer, debater e analisar o papel da filosofia no projeto de autonomia e flexibilidade curricular, sobretudo, a partir da análise dos documentos estruturantes e das práticas que, em algumas escolas, têm sido experimentadas.
Nesse particular, o painel de oradores foi bastante expressivo da diversidade de perspetivas sobre o tema e potenciais mudanças que os documentos pretendem promover.
No decorrer do evento, rapidamente, o debate revelou diferentes posicionamentos. O que, de algum modo, atesta, positivamente, que as problemáticas inerentes ao tema foram afloradas com objetividade e transparência, mas, ao mesmo tempo, que poderá sempre existir algo que comprova a conhecida tese de que até os factos relevam das interpretações. E foi isso mesmo o que se notou no período final das perguntas, no qual foi possível notar uma divisão que também estava já latente nas considerações dos oradores convidados. Divisão que poderíamos propor como sendo entre os “teóricos/formalistas/idealistas” e defensores das (poucas?) mudanças inerentes aos tais documentos e os “práticos/”concretistas”/realistas” (sobretudo professores “letivos”) que tendiam a preocupar-se mais com a exequibilidade das propostas, considerando o concreto dos contextos escolares, da profissionalidade docente e da identidade adolescente.
O tema é, portanto – como tudo em educação – problemático e passível de muitos desenvolvimentos, mas que é útil que os docentes de Filosofia pratiquem aquilo mesmo que querem ensinar (pensamento lógico e crítico; aprofundamento do nível de análise…o perguntar certeiro, etc.) disso não restam dúvidas. 

Fonte: http://www.famalicaoeducativo.pt/_aeccb_acolheu_encontro_de_filosofia_aprendizagens_essenciais

A apresentação pode ser vista aqui: